Confissões
Joana Lemos: “Estou a ser pressionada para ter outro filho”
Aos 37 anos, piloto confessa ser uma mulher bastante feliz. Preparada para se mudar para Londres, Joana garante que será uma óptima experiência.
  • Partilhe
06/03/2010 10H30
“O nosso casamento tem alicerces como a confiança, admiração e, sobretudo, respeito pelo espaço”, garante a piloto
Foto: Jorge Paula

Aos 37 anos, a piloto confessa ser uma mulher bastante feliz com a vida. Preparada para se mudar para Londres, Joana garante que será uma óptima experiência para a família, que poderá ser aumentada. É que o marido e os filhos pedem um bebé para breve

- O ano começou em grande para si, com o trabalho de repórter da TVI no ‘Dakar’. Como correu essa experiência?

- Muito bem, foi mais uma experiência fantástica. É, de facto, altamente recompensador termos o privilégio de fazer o que gostamos. Isto além de ter sido altamente motivador trabalhar com uma equipa excepcional como é a da TVI.

- Sentiu mesmo vontade de voltar a pilotar?

- Curiosamente, e pela primeira vez depois de algum tempo, sim. Já não corro há cinco anos.

- Esse trabalho coincidiu com o final do julgamento do processo que moveu a Cinha, Mituxa e Sofia Jardim. Sentiu que foi feita justiça?

- Claro que sim! Mas esse assunto está arrumado. Foi tratado em local próprio e não quero voltar a falar dele.

- Pediu 50 mil euros de indemnização e a sentença só decretou quatro mil. Ficou desiludida?

- De maneira nenhuma. A indemnização foi atribuída de acordo com os rendimentos das arguidas... Foi muito justo.

- Porque decidiu não ficar com esse dinheiro e doá-lo à Fundação Aragão Pinto?

- Porque acredito no objecto social da fundação. E, mais do que acreditar, acho muito necessário. O desporto é essencial ao bom crescimento das crianças, dá bases que, no meu entender, são fundamentais.

- De que forma reagiu quando Cinha Jardim pôs em dúvida publicamente se a Joana Lemos iria mesmo doar a indemnização?

- Um mau juiz por si julga!

- Está casada há 15 anos mas nos últimos dois o seu marido, Manuel Reymão Nogueira, esteve na Polónia a trabalhar. Foi complicado viver um casamento à distância?

- Por vezes sim, outras não tanto. Um casamento como o nosso, de 15 anos, tem bases suficientemente fortes. O que importa são as bases que um relacionamento tem. O nosso casamento tem alicerces como a confiança, a admiração mútua, a cumplicidade e, sobretudo, respeito pelo espaço de cada um.

- Como reagiram os seus filhos à ausência do pai?

- No princípio foi complicado mas todas as crianças têm defesas que fazem com que se adaptem muito melhor do que nós, os adultos.

- Mas a sua vida vai mudar em breve, com a ida para Londres. Desta vez vai acompanhar o seu marido... Como encara essa mudança?

- Encaro-a de forma positiva. Vai ser óptimo, estou muito contente. Além de ser uma cidade fantástica, vou ter muita coisa que fazer... O meu marido já lá está e eu e os meus filhos iremos depois das férias do Verão. Entretanto, tenho lá ido para ver escolas e casa.

- O Martim e o Tomás aceitaram bem a mudança?

- Melhor o Martim... O Tomás está a mostrar mais resistências, sobretudo por causa do futebol. Ele joga no Sporting.

- Londres acaba por ser perto e a sua vida profissional não fica afectada...

- Vai ser óptimo. Tenho a decorrer alguns projectos, que com a minha ida para Londres vão andar mais rápido. Presentemente, com todas as facilidades tecnológicas, a distância ficou encurtada. Não tenho dúvidas de que vai ser muito bom.

- Deixou a LagosSport mas agora tem outros desafios...

- Neste momento estou a trabalhar com a Aso, que são os organizadores do ‘Dakar’, num projecto muito gratificante e no qual estou muito empenhada. Estou ainda a trabalhar em parceria com a GNI Events na Race of Champions, que neste ano vai ter muitas novidades e que para os apaixonados do desporto motorizado vai ser brutal. E ainda estou ligada à Movilight, a fazer um documentário sobre o ‘Dakar’ para TV.

- Continua muito ligada ao mundo automóvel...

- Muito, é a minha paixão. Desde o primeiro momento que andei de moto – aos cinco anos – que começou esta paixão.

- Está mesmo afastada a hipótese de voltar às competições?

- Não. Tive agora um convite para participar no Rali de Portugal. Vou fazer testes e depois logo se vê. Estou com o sangue a fervilhar.

- E a sua família apoia-a?

- A 500 por cento. Os meus filhos reclamam mesmo o meu regresso.

- Como é que consegue conciliar a carreira com a família?

- Com organização e muita disciplina.

- Mesmo com muito trabalho, faz questão de dar total apoio aos seus filhos. Quer isto dizer que vai levá-los à escola, vai buscá-los?

- Nem sempre consigo fazer isso mas tenho a preciosa ajuda da minha mãe. Não há, para mim, melhor momento que o de tomar o pequeno-almoço com eles, beber daquela ‘inocência’ de manhã e fazer o caminho para a escola na conversa com os dois.

- Como se define?

- Como uma pessoa muito feliz, de bem com a vida. Feliz por a maturidade trazer uma maior sabedoria de viver e por ser uma pessoa realizada, no sentido em que me sinto bem comigo própria, olho para os meus filhos felizes e saudáveis.

- Tem 37 anos. Sente-se bem com a sua idade?

- Muito bem. Nunca pensei que os 30 anos fossem uma idade com tanta sabedoria. Não trocaria os 37 pelos 27.

- Os seus filhos já têm 11 e nove anos. Tem vontade de voltar a ser mãe?

- Tenho... Estou a ser muito pressionada pelo Manuel e pelos meus filhos. Só que na vida não se pode ter tudo, e eu não posso ir para o Rali de Portugal e ter um bebé ao mesmo tempo. Ou uma, ou outra vai sair. Estou a jogar na rifa (risos). Há dois anos que, nos Natais e nos aniversários, os meus filhos pedem sempre um mano ou uma mana como presente. Ou é agora, ou nunca. Até acho piada ter um filho com uma nacionalidade diferente...

- Com dois filhos rapazes, agora seria a vez de ter uma menina?

- Sou uma pessoa muito grata ao Universo e à vida. Claro que para quem tem dois rapazes uma menina vinha mesmo a calhar. Mas ficaria satisfeita se fosse outro rapaz.

- Seria capaz de fazer um aborto?

- Jamais... Não sou contra as pessoas que o fazem, porque ninguém deve julgar ninguém, até porque as circunstâncias da vida nem sempre ajudam. Mas devo dizer que, no meu caso, jamais seria capaz de o fazer.

- Ter um filho aos 37 anos seria uma emoção diferente?

- Criei os meus dois filhos com tanto amor e dedicação que acho que este seria igual. Com dois filhos com dois anos de diferença e com a minha actividade, achei que voltar a ser mãe não seria possível. Mas agora o Martim e o Tomás já estão numa fase em que exigem menos.

- Sente-se em forma? É uma mulher cuidadosa da sua imagem?

- Quanto baste. Há uma coisa engraçada de que me apercebi: só me maquilhei pela primeira vez perto dos 30 anos. Sempre explorei o meu lado natural, mas agora estou numa fase em que exploro o meu lado feminino e sinto-me feliz. Se tivesse uma filha dir-lhe-ia isso mesmo: para não começar cedo de mais.

- Sendo o desporto motorizado maioritariamente masculino, sentiu-se, de alguma forma, discriminada?

- Nunca, antes pelo contrário. Sempre fui muito bem recebida e apaparicada.

- Mas o seu pai não ficou contente quando se decidiu pela sua carreira...

- Porque era a única filha. Mas foram os obstáculos que serviram para pôr à prova se era mesmo o que queria. E o tempo provou, de facto, isso mesmo.

- Caso os seus filhos seguissem os seus passos, como reagiria?

- Apoiaria, mas alertando sempre para os riscos que existem. Mas já percebi que eles não irão por aí. O Martim vive na representação e, felizmente, desde os três anos que ele anda numa escola que enaltece as artes. Quanto ao Tomás, é obcecado pelo futebol. É a vida. Pode ser que se tiver uma menina ela seja o meu castigo.

- Porque diz isso?

- As  raparigas dão bem mais trabalho (risos). Digo isto porque as mulheres são mais complicadas e os homens mais simples. Eu sou metade complicada, metade simples. Como tenho irmãos, em miúda imitava-os, e por isso tive imensas influências deles.

- Com a sua vida numa fase excelente, é fácil perceber que está feliz.

- Muito feliz. A ida para Londres está a entusiasmar-me e será uma nova etapa para todos.

- Como figura pública, associa-se a várias causas e na sua página do Facebook mostrou-se solidária com as vítimas da tragédia na Madeira...

- Acima de tudo, o mais importante é não explorar demasiado esta calamidade. Fui várias vezes à Madeira, já fiz o rali, e é um paraíso. Por isso, a primeira oportunidade que tiver irei lá de férias. É fundamental que as pessoas não deixem de ter confiança. Confesso que estou muito orgulhosa, enquanto portuguesa, de ter visto a atitude dos madeirenses. Foi uma lição para o Mundo inteiro a forma como agiram e como se ergueram, de maneira rápida e digna, perante a tragédia.

INTIMIDADES

- Quem gostaria de convidar para um jantar a dois?

- Nelson Mandela.

- Não consegue resistir a...

- Aos meus filhos.

- Se pudesse alterar alguma coisa no corpo e no feitio, o que mudava?

- Nada! Vivo muito bem na minha pele.

- Sinto-me melhor quando...

- Faço desporto.

- O que não suporta no sexo oposto?

- A hipocrisia.

- Qual o seu pequeno crime diário?

- É o tabaco. Mas está para breve deixar os cigarros.

- O que seria capaz de fazer por amor?

- Já fiz muita coisa... Até deixei de pilotar por amor.

- Complete a frase: a minha vida é...

- ... uma dádiva!

Ler mais tarde
A notícia foi guardada na sua lista de notícias favoritas. Faça a gestão dessa área na sua conta.
Partilhe
0
Comente
0
BLOGS, CRÓNICAS & CONSULTÓRIOS
  • Grammy para incinerar
    Os Grammy já não valem tanto por aquilo que são, mas mais por aquilo que envolvem.
    Rebeldes
    O seu som nunca deixou de ser um rock puro e muito atractivo.
  • Filhos de peixe que sabia nadar
    Experiência acumulada nos tempos em que foi atleta olímpico é usada pelo ator para orientar a prole nas suas carreiras ...
    Miúdos
    Demorou uma década para que os Skids voltassem a gravar.
  • Um produto para venda
    Nos últimos anos já se vinha falando do regresso das Spice Girls ao ativo.
    Vale tudo em certas varandas
    Passar boa parte do tempo em terras estrangeiras tem efeitos interessantes na vida de David Carreira.
horoscopo
EM DESTAQUE
PEIXES
20 FEVEREIRO - 20 MARÇO
OUTROS SIGNOS
a ferver
Copyright 2014 - Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. - Grupo Cofina. Consulte as condições legais de utilização.