“Anda triste e revoltada há muitos anos”: Ana Bola sobre Maria Vieira

Críticas surgiram devido à participação de Maria Vieira na manifestação do Chega.
Ana Bola
Ana Bola
Ana Bola, Maria Vieira, criticas, redes sociais, pirataria
Maria Vieira
Ana Bola
Ana Bola
Ana Bola, Maria Vieira, criticas, redes sociais, pirataria
Maria Vieira
30 jun 2020 • 15:20

Maria Vieira está a ser notícia por ter participado na manifestação do partido Chega organizada pelo líder, André Ventura. Nas redes sociais, são muitas as críticas que os seguidores tecem à atriz, uma delas foi do cineasta Vicente Alves de Ó, que comentou a participação da humorista na manifestação. "A tristeza profunda de tudo isto. A tristeza profunda no rosto dela. Os olhos. Estes olhos cheios de tristeza. De quem não acredita em mais nada. Olhos de quem grita a sua tristeza e a sua tragédia", escreveu na legenda da fotografia que partilhou de uma personagem interpretada pela atriz.

Ana Bola também não ficou indiferente à partilha e teceu comentários à ex-amiga. "Bom, esta foto é de uma personagem de um filme. O que ela transmite mais, quanto a mim naquela tristeza de ontem (manifestação do Chega), é um ódio profundo e uma raiva sem medida. Triste estará muitas vezes, com certeza, basta ter deixado de ser quem era", começou por escrever.

"A Maria anda triste e revoltada há muitos anos por várias razões. Acho que transformou essa tristeza em ódio por tudo o que mexe e sobretudo por quem tem sucesso na profissão, até porque a convenceram que ela era melhor do que todos nós. E ela acreditou", afirmou.

"Ela há muito tempo que tinha duas personas, a que convivia connosco, que se divertia, que se soltava, e a outra… Submissa, controlada, induzida a ser má, a contar as linhas de texto que tinha em relação aos outros, questionada se lhe tinham feito planos e se tinha conseguido dizer e cumprir as indicações que trazia de casa, depois com o trabalho no ar ser confrontada com as críticas de não ter feito como a tinham mandado… Isto dá cabo de qualquer um", acrescentou.

"Ela sempre foi frágil, insegura, ‘diferente’, portanto foi atingida e não foi pouco. Eu tenho muita pena. A Maria não deixa de ser uma vítima", terminou.

Recorde-se que a amizade entre as atrizes chegou ao fim há cerca de três anos quando Maria Vieira tornou conhecidas as suas intenções políticas, bem como, pelo facto de criticar frequentemente diversas figuras públicas.

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo