Andreia Rodrigues: "Faço sugestões ao meu marido, não ao meu diretor"

A apresentadora gostava que na próxima edição de ‘Quem Quer Namorar com o Agricultor?’ os candidatos fossem do sexo feminino. Enquanto isso, prepara o Natal em família
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
Andreia Rodrigues
29 nov 2019 • 14:44
Que balanço faz deste seu percurso profissional que começou na moda e hoje a leva a estar à frente de programas de televisão?
Positivo! Mesmo nos momentos mais difíceis houve sempre uma aprendizagem. Por exemplo, para mim um não nunca me bloqueou. Sempre me desafiou a ser melhor, a ir mais além. E orgulho-me muito do meu percurso.

E como lidou com não conseguir que nenhum agricultor arranjasse namorada para ficar?
Alguns ficaram... houve trocas (risos). Como em qualquer namoro há coisas que correm bem e outras menos bem. A maior parte de nós, até chegarmos à tampa para a panela, se me faço entender, também tivemos amores e desamores. Todos vivemos relações que achámos que iam dar frutos e depois não deram. A vida é isso mesmo.

Pronta para mais uma edição?
Não sei. A SIC não me informou de nada.
Mesmo sendo casada com o diretor de programas da SIC [Daniel Oliveira]?
Uma coisa não tem nada que ver com a outra. Por enquanto, a informação que tenho é que não está nada fechado.

Mas queria repetir a fórmula?
Sinto que foi um projeto que me fez feliz, que foi acarinhado pelas pessoas, que o público entendeu... Mas, olhem, se houver uma terceira edição, peço que as agricultoras, mulheres, se candidatem. Porque isto não é exclusivo para os homens... Aliás, em todo o Mundo houve muitas mulheres a candidatarem-se à procura também de amor. Mas, se vier, seja em que formato for, irei abraçar esse projeto com a mesma felicidade como se fosse um projeto totalmente novo.

Não pode sugerir ao Daniel Oliveira essa troca, os agricultores pelas agricultoras?
Eu não faço sugestões. Ao meu marido sim, ao meu diretor não, porque não me cabe a mim dar sugestões. Nós em casa falamos da nossa vida pessoal.

Entretanto já começou a organizar o Natal lá em casa?
Ainda não fiz a árvore. Quero fazê-la com a Alice (tem 18 meses que serão feitos a 30 de novembro) e o Daniel. Embora saiba que a minha filha vai passar o tempo todo a desmanchá-la. Eu monto, ela desmonta. À partida será no início de dezembro depois de o Daniel voltar de Nova Iorque, dos Emmys. Mas quero que seja feito em família...

É muito festivo o seu Natal?
Com a Alice torna-se ainda mais especial. Mas como de alguma forma na família sempre houve crianças sempre vivemos esta época de forma muito mágica, porque é isso que as crianças trazem ao Natal. E este ano vai ser mágico.

Como é a sua Consoada?
Com jogos à mesa à antiga, de tabuleiro a rir e a desfrutar da companhia uns dos outros. Este ano, o 24 será lá em casa e o 25 logo vemos. O bacalhau estará presente na mesa feito por mim. Não tem é muitos doces. Arroz-doce faz parte assim como o bolo rainha. A minha mãe faz mousse e eu uma receita saudável.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo