Ângelo Rodrigues recusou trabalho para poder viajar: “Tinha uma vida extremamente confortável”

Ator falou sobre os benefícios de viajar sozinho.
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues, Maria João Abreu, Jorge Corrula, José Raposo, Isabela Valadeiro
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues
Ângelo Rodrigues, Maria João Abreu, Jorge Corrula, José Raposo, Isabela Valadeiro
23 jul 2020 • 15:45

Ângelo Rodrigues foi um dos convidados de João Baião e Diana Chaves no programa ‘Casa Feliz’ da SIC esta manhã, dia 23 julho, e à conversa com os apresentadores do novo formato recordou alguns episódios que o ajudaram a crescer enquanto pessoa, incluindo o momento em que recusou trabalho para poder viajar.  

"Foi a primeira vez que fiz isso e vocês sabem que é assustador. Foi assustador no início e depois foi a coisa mais libertadora que eu fiz. E depois com as vicissitudes todas que aconteceram depois disso, acabei a relação que eu tinha, tinha uma vida extremamente confortável, não me faltava absolutamente nada, pus o meu carro à venda, a minha atividade na segurança social deitei-a abaixo… para poder viajar", contou.

Contudo, o ator, que esteve entre a vida e a morte há cerca de um ano por causa de uma infeção grave na perna, já regressou ao trabalho e encontra-se atualmente a gravar a nova temporada de ‘Golpe de Sorte’. Questionado sobre o regresso às gravações após a sua recuperação, o ator não tem dúvidas: "Têm-me ajudado bastante. A produção ajudou-me bastante no início", afirmou.  

No que toca à situação de pandemia de Covid-19 que assola o país e que obriga as produções das novelas a adotarem medidas de segurança, o ator de 32 anos revelou que é complicado por causa da falta de contacto entre as pessoas, mas que já se habituou. "Continua a ser estranho. Sendo a arte da empatia, do encontro, torna-se complicado quando somos privados disso", disse.

Mais à frente Ângelo Rodrigues falou sobre os benefícios de viajar sozinho: "É no desconforto que encontro as maiores transformações dentro de mim (…) Torna-se viciante, é quase obsessivo porque eu já percebi que com esse desconforto eu vou-me tornar melhor pessoa", revelou.

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo