Cancro de João Ricardo força mudança na novela

Ator terá de ser submetido a sessões de terapia da fala.
João Ricardo continua internado depois de ter sido operado a um tumor cerebral
João Ricardo
Foto: Tiago Sousa Dias
12 out 2016 • 04:00
Hugo Real e Rita Montenegro
Três dias depois de ter sido sujeito a uma operação ao cérebro, para retirar um tumor que se revelou maligno, João Ricardo começa a apresentar algumas melhorias. Apesar de ainda ser prematuro, o ator não apresenta sequelas motoras, mas a fala foi afetada.

"Hoje [esta terça-feira], o João já reconheceu melhor as pessoas que o foram visitar e já fala inclusivamente, ainda que com dificuldade", revelou ao CM fonte da administração da produtora SP Televisão, que tem acompanhado de perto o estado de saúde do ator exclusivo da SIC.

Diagnosticado com um tumor maligno no cérebro, que foi retirado na totalidade, João Ricardo tem ainda muito trabalho de recuperação pela frente. "Os médicos dizem que ele poderá ficar com dificuldades articulatórias na fala, mas que isso será facilmente recuperável com terapia", adianta a mesma fonte, acrescentando: "As capacidades motoras estão intactas, mas a nível neurológico ainda tem alguns esquecimentos. No entanto, parece ser normal, visto que foi submetido a uma intervenção cirúrgica com anestesia geral".

Ainda abalados com o estado de saúde de João Ricardo, a SIC e a produtora SP Televisão preparam agora a saída da personagem que o ator interpretava na novela ‘Rainha das Flores’. "As gravações terminam já em dezembro e a recuperação do João não se dará do dia para a noite. Por isso, estamos a perceber o que fazer", confirma ao CM fonte da produção, acrescentando que irão decorrer reuniões para delinear estratégias.

Segundo foi possível apurar, os guionistas, bem como os produtores, terão uma palavra a dizer sobre o destino de Moisés da Paz. "Tudo está a ser tratado com o máximo de rigor. O João é um ator muito querido da casa e isto veio causar uma revolução nas gravações. Mas já estamos habituados a saídas de personagens, ainda que não seja por motivos como estes", diz a mesma fonte.
Mais sobre
Newsletter
topo