Catarina Raminhos indignada: "Perguntam-me porque não tenho vergonha do meu corpo"

Mulher de António Raminhos tem recebido críticas por publicar imagens em biquíni.
António e Catarina Raminhos
Raminhos com as três filhas nas Maldivas
Catarina Raminhos
António e Catarina Raminhos
Catarina Raminhos
Catarina Raminhos
António e Catarina Raminhos
Raminhos com as três filhas nas Maldivas
Catarina Raminhos
António e Catarina Raminhos
Catarina Raminhos
Catarina Raminhos
18 fev 2020 • 11:25

De férias nas Maldivas com o marido, António Raminhos, e as três filhas, Catarina tem partilhado inúmeras imagens com os seguidores das redes sociais. No entanto, nem todas são positivas. A bloguer acabou por desabafar sobre as críticas que tem recebido por partilhar imagens em biquíni.

"'Não devia publicar fotos em biquíni de corpo inteiro porque não a favorece' foi uma das primeiras mensagens que recebi. Noutras perguntavam-me se estou grávida e noutras ainda por que razão eu não tenho vergonha do meu corpo. Há ainda uma rapariga na casa dos 20 e poucos que aproveita para dizer que se gosto tanto de vestidos, devia usá-los compridos para não mostrar as pernas. Enfim, há mais umas quantas mas encaixam-se num destes tipos…", escreveu no seu blogue.

"Ora bem, o meu corpo não é de revista, nem de catálogo de moda. E há uma série de coisas que eu não gosto nele – e que não aprecio ver nas minhas próprias fotos. Tem celulite, estrias e mais umas quantas coisas – como a maioria dos corpos (incluindo aqueles que são de revista e de catálogo). Mas é perfeito na medida em que é saudável, me permite realizar todas as minhas tarefas, dar colo às minhas filhas, treinar, passear e escrever, entre tantas outras coisas", continou, mostrando ser uma mulher confiante. "E, acima de tudo, é perfeito porque é o invólucro de tudo aquilo que eu sou e, caramba, eu gosto mesmo daquilo que sou. E gosto quando isso se reflete numa imagem".

A mulher de António Raminhos referiu-se também aos comentários positivos. "Nestes três dias, também recebi mensagens em que me dizem que sou uma referência por me aceitar. Apesar de me sentir lisonjeada e até grata por isso, também não será verdade, porque há todo um caminho que tenho percorrido (e ainda não cheguei ao fim). E outras pessoas que me consideram uma "mulher real". Tento ser verdadeira comigo e transmitir o que sou na realidade, sem floreados, sem tretas – e, grande parte das vezes, sem filtros. Se isso é ser real então acho que sim. Sou real".

Catarina Raminhos terminou a sua mensagem apelando a uma maior tolerância. "Sei que muitas vezes aquilo que as pessoas me fazem chegar tem mais a ver com elas do que comigo. Com as suas inseguranças e até frustrações. Mas vai sendo tempo de sermos todos pessoas mais tolerantes e empáticas. Connosco e com os outros".

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo