Emir condenado a pagar 636 milhões por divórcio

Haya fugiu do marido em 2019 por temer pela sua vida.
Mohammed bin Rashid Al Maktoum
Haya Bint
Mohammed bin Rashid Al Maktoum
Haya Bint
23 dez 2021 • 01:30
Miguel Azevedo
Dois anos depois do início do processo de divórcio, o emir do Dubai Mohammed bin Rashid Al Maktoum, atual primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, foi agora condenado a pagar 636 milhões de euros à princesa Haya da Jordânia. Trata-se do valor mais alto de sempre decidido por um tribunal do Reino Unido.

O valor, que inclui uma indemnização à ex-mulher e as despesas anuais relativas aos filhos de ambos, Jalila, de 14 anos, e Zayed, de 9 anos, prevê cobrir custos com propriedades em Inglaterra, férias, salários e alojamento para uma enfermeira e uma ama, veículos blindados para a família e despesas com animais de estimação.

Recorde-se que Haya Bint Al-Hussein, de 47 anos, é filha do antigo rei Hussein da Jordânia e a mais nova das seis mulheres de Mohammed bin Rashid, de 72 anos. Casou-se com o emir em 2004, mas, há dois anos, fugiu para Inglaterra com os filhos, após confessar que temia pela vida. Nos últimos anos disse mesmo ter recebido várias ameaças de morte.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo