‘Essas Mulheres’ estreia a 1 de junho na CMTV

Trama passada no século XIX centra-se nas vidas apaixonantes de três mulheres.
As atrizes Luciene Adami e Miriam Freeland integram o elenco da novela
Essas Mulheres, CMTV, Carla Cabral, Mila Duarte, Christine Fernandes, Maria da Glória, Aurélia, Miriam Freeland, Rio de Janeiro, Escrava Isaura
Foto: Direitos Reservados
21 mai 2017 • 23:30
Vânia Nunes
Está prestes a estrear a nova novela da CMTV. Trata-se de ‘Essas Mulheres’, uma produção da TV Record que promete surpreender com as histórias apaixonantes das três protagonistas.

É já a 1 de junho que Aurélia, Maria da Glória e Mila Duarte, interpretadas, respetivamente, por Christine Fernandes, Carla Cabral e Miriam Freeland, chegam ao ecrã dos portugueses. A trama desenvolve-se em 1880, no Rio de Janeiro.

"A ‘Escrava Isaura’ está a terminar e a nova novela da CMTV, ‘Essas Mulheres’, é a sua sucessora natural. Estamos confiantes de que os telespectadores vão ficar agradados com esta estreia. É uma novela de época, que retrata o Brasil do século XIX e que tem uma grande capacidade de atração de audiências", desvenda o diretor-adjunto de programação da CMTV, Francisco Penim.

A novela centra-se nos romances tórridos das três mulheres, e também na ganância e no ódio que veem à sua volta.

Prostituta ajuda pai doente e irmã menor
Glória (Carla Cabral) é uma das personagens que prometem apaixonar com a sua história. Órfã de mãe e com o pai doente, torna-se prostituta para comprar medicamentos e também para dar de comer à irmã menor.

Mila é inconformada com os preconceitos
Mila (Miriam Freeland) é uma jovem inconformada com os preconceitos e limitações da sua época e tem uma relação complicada com a mãe. Por tudo isso, enfrenta graves transtornos psicológicos.

SAIBA MAIS
1822
Grito do Ipiranga foi pronunciado por D. Pedro, príncipe regente do Brasil, a 7 de setembro. "Independência ou morte", disse o filho de D. João VI.

De criança a velho
Primeiro imperador, D. Pedro I voltou a Portugal (como D. Pedro IV, abdicando para a filha, D. Maria I), e combateu o irmão, D. Miguel. Deixou no Brasil o filho D. Pedro II (na imagem), de cinco anos, imperador de 1831 a 1889. Tinha 73 anos quando foi proclamada a República.

Fim do esclavagismo
Antes, em 1888, numa viagem de D. Pedro II à Europa, a sua filha, D. Isabel, assinou a lei que aboliu de vez a escravatura no Brasil. Já em 1871 surgira a Lei do Ventre Livre, que declarava livres os filhos de escravas.

Milhões vindos de África
Três milhões de africanos foram levados para o Brasil desde o século XVI. Homens, mulheres e crianças eram comprados sobretudo por donos de plantações de cana de açúcar. Não tinham direitos e eram quase sempre propriedade do mesmo dono do nascimento à morte.

Aurélia jura vingança após descobrir traição
Aurélia (Christine Fernandes) sofre um duro golpe quando percebe que o namorado por quem é perdidamente apaixonada, Fernando Seixas (Gabriel Braga Nunes), a troca por Adelaide (Adriana Garambone), uma mulher arrogante que a humilha constantemente. A partir desse momento, torna-se numa mulher amargurada e que não descansa enquanto não se vingar.

A altura certa surge quando, inesperadamente, recebe uma herança do avô paterno e consegue fazer com que Fernando se case consigo. Mas estaria longe de perceber que a sua vida ia ser tão difícil. Além disso, terá de lidar com a ganância do tio, Manoel Lemos (Paulo Gorgulho).
Mais sobre
Newsletter
topo