Ex-marido de Cláudia Jacques ‘abandonado’ pelos advogados

Julgamento de Olivier estava marcado para esta quinta-feira, mas teve de ser adiado para setembro.
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
Cláudia Jacques
03 mai 2019 • 08:31
Ana Palma
O julgamento em que Olivier Parente responde por três crimes de burla qualificada e um de branqueamento estava marcado para esta quinta-feira de manhã, no Tribunal de Portimão.

No entanto, a audiência foi adiada para 30 de setembro, uma vez que a equipa de advogados do arguido renunciou à sua defesa.

A situação obrigou à nomeação urgente de uma defensora oficiosa, que pediu prazo para defesa, nomeadamente para consultar o processo, do qual fazem parte 19 volumes e alguns apensos.

O ex-marido da relações-públicas, de 40 anos, está acusado, pelo Ministério Público, de burlar reformados franceses que pretendiam comprar casa em Portugal.

Segundo a acusação, o arguido fazia-os crer que prestava aconselhamento jurídico e fiscal e que funcionava como mediador imobiliário.

Olivier Parente terá causado um prejuízo total de cerca de 500 mil euros.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo