Ex-moranguito sofre ataque homofóbico e expõe agressores

"Lembram-se de mim e de me chamar paneleiro e perguntar se quero 'ver a pi**' deles", lamentou Manuel Moreira
Manuel Moreira
Manuel Moreira
Manuel Moreira
Manuel Moreira
Manuel Moreira
Manuel Moreira
Manuel Moreira
Manuel Moreira
25 mai 2021 • 17:04
O ator Manuel Moreira, de 38 anos, utilizou as redes sociais para expor um grupo de jovens, que acusa de o perseguirem há várias semanas com ataques homofóbicos. "Têm-me chegado vídeos e mensagens, sempre deste mesmo grupo com as hormonas claramente descontroladas e que quando se juntam para beber, lembram-se de mim e de me chamar paneleiro e perguntar se quero 'ver a pi**' deles."

"Na cabeça deles a ideia de que um 'paneleiro' que não os conhece de lado nenhum tem interesse em lhes ver as p***** que ainda nem devem saber usar deve fazer imenso sentido", continou.

Na mesma partilha, aproveitou para deixar um vídeo onde se podiam ler os insultos dirigidos e alguns vídeos provocatórios. "Filho da p***. Manuel Moreia de m****", ouve-se.

Embora indignado, Moreira aproveitou para deixar uma reflexão sobre as dificuldades vividas por minorias diariamente, às mãos de individuos com preconceitos. "Aos jovens de hoje, o bullying entra-lhes também pela casa dentro, pelos computadores e telemóveis".

Sobre o ataque, afirma desconhecer os motivos e os intervenientes. "Não conheço nem faço ideia quem são estes miúdos, mas se são crescidinhos para enviar repetidamente mensagens tão corajosas a desconhecidos (já bloqueei um ou dois mas eles vão alternando os perfis) são crescidos também para ficarem aqui expostos como exemplo daquilo que não se deve ser nem fazer".

O ex-moranguito apelou, ainda, à consciência coletiva. "Vocês, os que nunca sofreram de bullying por serem gays, trans, gordos, negros, etc - e tentem imaginar o que é ter 12, 14, 16 anos, as idades de todas as dúvidas e receios, e esbarrar com este tipo de energia e este tipo de ataques (que podem descambar também em violência física) a cada esquina da escola, em cada beco, em cada fila para a cantina, em cada paragem de autocarro, ou nas caixas de mensagens".



Após a denúncia, Manuel Moreira recebeu uma avalanche de apoio por parte de anónimos e várias caras conhecidas, que lamentaram o sucedido. Entre elas, Filomena Cautela, César Mourão, Agir, Júlia Palha ou Inês Aires Pereira.

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo