Jogador do Real Madrid quebra quarentena para ir ao aniversário da namorada e enfrenta Justiça

Jovic não respeitou as medidas de prevenção devido ao surto de coronavírus, em Espanha, porque quis estar presente no aniversário da namorada, Sofia Jamilo.
Jovic
Jovic e a namorada, Sofia Jamilo
Jovic e a namorada, Sofia Jamilo
Jovic e a namorada, Sofia Jamilo
Jovic
Jovic e a namorada, Sofia Jamilo
Jovic e a namorada, Sofia Jamilo
Jovic e a namorada, Sofia Jamilo
19 mar 2020 • 15:04
Luka Jovic, jogador do Real Madrid, decidiu furar a quarenta imposta pelo país onde mora, Espanha, na passada quarta-feira, dia 18 de março, devido ao surto de coronavírus.

Segundo a imprensa espanhola, o ex-jogador do Benfica, de 22 anos, decidiu fugir de Madrid e rumou a Belgrado, na Sérvia, para correr para os braços da namorada, Sofia Jamilo, e estar presente no aniversário da companheira.

Apesar de a viagem já ter sido uma violação grave das regras impostas, Jovic cometeu outra infração. O futebolista, ao entrar na Sérvia, indicou a moradia onde iria permanecer em isolamento, uma medida imposta pelo estado de emergência.

No entanto, quando foi procurado no mesmo local pelas autoridades, com o objetivo de verificarem se estava a cumprir o isolamento obrigatório, o craque não se encontrava presente em casa.

Jovic está a ser duramente criticado por não ter respeitado o isolamento que foi obrigado a cumprir, tal como os restantes jogadores da equipa, e vai agora enfrentar problemas com a Justiça.

O Ministério Público de Belgrado ordenou à polícia sérvia que avance com uma queixa-crime contra o futebolista, por não ter cumprido as ordens e Jovic poderá ser condenado a uma pena de prisão de três anos, motivada por este exemplo de desobediência civil, e já foi ordenado a pagar uma multa de mais de mil euros.

Esta quinta-feira, dia 19 de março, a Nebojsa Stefanovic, a ministra do Interior da Sérvia, deixou claro que ninguém está isento de ser devidamente sancionado por violar as ordens da quarentena.

"Ser atleta rico não nos impede de aplicar multas. Ou cumprem as regras ou vão para a prisão. Estas pessoas vão responder em tribunal na hora certa", afirmou, durante um programa em direto na televisão.

Quando Jovic saiu de Espanha, exisitiam mais de 14 mil casos confirmados de infeção pelo coronavírus e 630 mortes confirmadas.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo