Jorge Gabriel triste com último adeus ao pai: "Nunca lhe poderei chamar cerimónia"

Apresentador despediu-se do pai cinco dias após a sua morte, vítima de Covid-19.
Jorge Gabriel e o pai Albano
Jorge Gabriel mantinha uma relação próxima com o pai, Albano Fialho, apesar da distância física que os separava e que se agravou com a pandemia
Jorge Gabriel e o pai Albano
Jorge Gabriel mantinha uma relação próxima com o pai, Albano Fialho, apesar da distância física que os separava e que se agravou com a pandemia
23 jan 2021 • 18:43
Jorge Gabriel vive momentos de profunda tristeza com a morte do pai, Albano, aos 96 anos, vítima de Covid-19.

Cinco dias após a notícia da morte do progenitor, o apresentador da RTP1 conseguiu despedir-se do pai, numa cerimónia rápida e sem lugar para muitas homenagens, devido às medidas impostas em tempos de pandemia.

"Cinco dias após paritr consegui cruzar-me pela última vez com o corpo do Sr. Albano. 
Nunca lhe poderei chamar cerimónia. Cinco minutos talvez. Entre chegar o carro funerário, retirar as flores, e seguir para o crematório tudo se desenrola num ápice. Normas Covid", lamentou.

O apresentador de 'Praça da Alegria' aproveitou para agradecer o carinho recebido e uma mensagem especial, de uma das profissionais do lar em que o pai se encontrava.
"De entre as imensas e intensas mensagens que recebi, e que em breve agradecerei, permitam-me que destaque a que me enviou a dra. Ana Quintais, psicóloga no Lar de Santo António: 'Sempre atrasado para o almoço e com ânsias de vitória! Sempre cordial e cavalheiro, conhecedor e perspicaz, o senhor Albano ficará para sempre nos nossos corações.' Este era o meu pai. Amo-te", escreveu.



Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo