Juiz nega exigências de Ronaldo

Craque queria entrar no tribunal pela garagem, mas terá de fazê-lo pela porta principal.
Ronaldo durante o julgamento em Madrid
Ronaldo durante o julgamento em Madrid
Foto: EPA
22 jan 2019 • 01:30
Cristiano Ronaldo vai ter mesmo de entrar, esta terça-feira, pela porta principal do tribunal onde irá ser julgado por fraude fiscal, em Madrid. CR7 tinha solicitado que o acesso ao edifício fosse através da garagem, mas o juiz da Audiência Provincial de Madrid não aceitou.

Apesar de reconhecer "a grande notoriedade" do craque, o tribunal considera que o acesso a pé não coloca em causa a segurança do jogador, segundo avançou o jornal ‘El Mundo’. A audiência marca o regresso de Cristiano a Madrid, seis meses depois de ter trocado os merengues pela Juventus.

Ronaldo senta-se hoje no banco dos réus para se declarar culpado por quatro crimes de fraude fiscal, cometidos entre 2011 e 2014. Além da condenação a dois anos de prisão, com pena suspensa, terá de pagar mais de 18 milhões de euros.

A audiência serve para formalizar o acordo celebrado com o Fisco por alegada fuga aos impostos, na tributação dos direitos de imagem. O ex-jogador do Real Madrid solicitou ainda que a audiência fosse por videoconferência, mas o tribunal também recusou esta pretensão, obrigando-o a deslocar-se à capital espanhola.

Rui Pinto, o hacker português que foi detido em Budapeste, na Hungria, terá sido o informador do ‘Football Leaks’ nos documentos que levaram à investigação do Fisco espanhol.

O acordo de confidencialidade no caso da alegada violação à norte-americana Kathryn Mayorga também terá sido revelado pelo pirata informático, que está a colaborar com as autoridades de Las Vegas, nos Estados Unidos.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo