Madonna criticada após atuação desastrosa na Eurovisão

A ‘rainha da pop’ cantou no Festival da Eurovisão e causou polémica. Desafinou e enviou recados políticos, e ministra israelita considerou a atuação “um erro”.
Madonna
Madonna
25 mai 2019 • 15:28
Miguel Azevedo
Se não foi uma das mais controversas e desastrosas prestações ao vivo da carreira de Madonna, deve ter andado lá perto.

Aquela que é apelidada de ‘rainha da pop’ decidiu, este ano, inscrever o seu nome na final da 64.ª edição do Festival Eurovisão da Canção, em Telavive, Israel, mas, certamente, não virá a ser recordada pelos melhores motivos.

Além de uma participação politizada, que foi inclusive contestada pela ministra israelita, Madonna não esteve particularmente feliz na parte artística.

Abrindo a sua atuação com um dos temas mais icónicos da carreira, ‘Like a Prayer’, a cantora entrou fora de tom, desafinou e foi arrasada pela critica.

"Madonna devia ter ficado em casa e deve agora questionar-se se valeu mesmo a pena", escreveu, por exemplo, o jornal ‘The Guardian’. A ABC comparou mesmo a atuação de Madonna a um "acidente de viação", do qual é difícil desviar o olhar. Durante a semana, a cantora virou paródia nas redes sociais e não foi poupada pelos internautas.

Recorde-se que a própria decisão de Madonna em viajar para Israel já tinha sido por si só polémica.

A cantora, que tinha recebido vários apelos para boicotar o concurso, não só decidiu avançar por sua conta e risco, como ainda aproveitou a atuação para lançar recados em relação ao conflito israelo-palestiniano.

No final, dois bailarinos surgiram em palco com as bandeiras de Israel e da Palestina nas costas enquanto caminhavam abraçados.

A organização da Eurovisão apressou-se a admitir que tinha sido apanhada de surpresa, referindo que esses elementos cénicos não tinham feito parte dos ensaios, mas ainda assim não conseguiu evitar que a ministra da cultura israelita, Miri Regev, viesse a público manifestar o seu desagrado. "Foi um erro, não podemos misturar a política com um evento cultural", disse.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo