Manuela Bravo recorda morte trágica do pai: "Um acidente estúpido de comboio"

Loubet Bravo morreu aos 67 anos.
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
Manuela Bravo
28 abr 2020 • 18:01
Manuela Bravo, a eterna voz de 'Sobe, Sobe, Balão Sobe' recordou no programa 'A Tarde é Sua', da TVI, um dos momentos mais difíceis da sua vida, a morte trágica do pai, Loubet Bravo, um conhecido fadista.

"O meu pai acompanhou-me até 1978. Faleceu num acidente estúpido de comboio. Ele vinha da Adéga Machado no último comboio, adormeceu, e tentou sair com o comboio em andamento. Tinha 67 anos".

Em conversa com Fátima Lopes, a artista, de 62 anos, lamentou a ausência do progenitor nos momentos mais importantes da sua carreira.

"Ele partiu muito cedo. Estava no pleno uso das suas faculdades, com uma voz maravilhosa. Eu tinha 20 anos quando ele faleceu. O meu pai não apanhou a fase da vitória do 'Festival'. Os meus 'booms' profissionais nunca os viveu."

A estrela do Festival RTP da Canção deixou também uma palavra de saudade à mãe que morreu há 10 anos.

Visivelmente emocionada, Manuel Bravo lamentou o facto de não ter tido mais oportunidades profissionais.

"Não há convites. Se não há verba para investimento, não há disco para ninguém. As coisas estão assim há duas ou três décadas. É um grande problema."

Reclamou, ainda, pela constante associação ao tema 'Sobe, Sobe, Balão Sobe' , que a tornou conhecida. "Tenho muito carinho pelos canais de televisão e apresentadores, mas todos me pedem para cantar a mesma canção. Isto acontece há 41 anos. Para o grande público, que não me acompanha, pensa que eu fiquei por ali."

Manuela Bravo, recorde-se, assumiu no passado ter enfrentado várias dificuldades. Chegou a trabalhar num call center e no mercado imobiliário.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo