MP quer pena para a filha de Adelaide Ferreira

Cantora chorou durante o depoimento
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
importa
25 jan 2013 • 07:48

O Ministério Público do estado do Mato Grosso, Brasil, avançou ontem com um pedido na justiça para que a filha de Adelaide Ferreira tenha de cumprir trabalho comunitário. A jovem, de 15 anos, está desde o dia 18 internada num centro educativo, à guarda da justiça brasileira, depois de a 4 de janeiro ter dado entrada num hospital de Cuiabá - após um aborto provocado por três comprimidos - encomendados pela internet. A menor vivia com o namorado.

Segundo o CM apurou junto do MP daquele estado, a medida socioeducativa poderá ir até aos seis meses e terá de ser cumprida no Brasil. O pedido deu entrada pelas mãos do procurador Manoel Rezende Rodrigues, logo após o depoimento de Adelaide Ferreira como testemunha.

A cantora foi intimada pela Delegacia Especializada do Adolescente, logo depois de ter visitado a sua filha na Casa de Retaguarda Paulo Prado. Adelaide chegou sorridente, acompanhada por um amigo e por um dos dois advogados, e foi ouvida durante três horas. Mas à saída não escondeu o ar abatido.

Segundo Paulo Araújo, delegado responsável pela investigação, a cantora "chorou muito", mostrou-se nervosa e negou sempre ter tido conhecimento de que a filha estava grávida. No entanto, a artista foi confrontada pela denúncia de uma funcionária do centro onde a menor está internada - que disse às autoridades ter ouvido uma conversa entre a cantora e a filha, em que aquela perguntou à menor porque tinha contado a verdade à polícia.

As autoridades aguardam ainda a autorização judicial para juntar ao processo o testemunho da funcionária. A contrariar a versão de Adelaide está também a da filha. Numa primeira fase a menor disse que ninguém sabia da sua intenção de abortar. Mas numa segunda versão afirmou que mentiu, a pedido da mãe. 

PORMENORES

COMISSÃO PODE INTERVIR

A Comissão Nacional de Proteção das Crianças e Jovens em Risco admitiu ontem que pode haver intervenção da comissão junto da menor caso haja uma situação de perigo.

FRUTAS E REMÉDIOS

"A menina teve uma virose e ela [Adelaide Ferreira] mandou 300 euros para ela comprar remédios e frutas", disse o advogado, negando que a cantora tivesse ajudado a comprar os compridos.

SÓ SAI COM A FILHA

Segundo a defesa da cantora, esta só deverá sair do país acompanhada pela filha. Até lá, continuará na cidade de Cuiabá, onde a menor está.

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo