Passadeira vermelha dos Óscares sem o brilho habitual

92ª edição dos Óscares foi considerada um pouco apagada no que toca aos visuais. Charlize, deslumbrante, quebrou a monotonia.
Charlize Theron
Scarlett Johansson
Renée Zellweger
Penelope Cruz
Charlize Theron
Scarlett Johansson
Renée Zellweger
Penelope Cruz
11 fev 2020 • 01:30
A cerimónia dos Óscares é considerada a noite de brilho e maior glamour de todo o ano, mas no último domingo um apagão parece ter dominado a passadeira vermelha do evento.

Os visuais escolhidos para a festa foram considerados pouco inspirados e só Charlize Theron quebrou a monotonia ao deslumbrar com um elegante vestido comprido assinado pela casa Dior, que deixou em evidência a sua beleza e excelente forma física, aos 44 anos. O evento de Hollywood tinha como mote a causa ambiental e, mais do que pensar num guarda-roupa de glamour, as atrizes foram incentivadas a usar vestidos sustentáveis, mas a verdade é que o resultado não foi o esperado.

De resto, os críticos de moda não se renderam propriamente a nenhum modelo, não houve vestidos a deixar a internet rendida, num evento em que, porém, houve espaço para muita sensualidade. Na red carpet, destaque para Scarlett Johansson, que ousou um vestido Oscar de la Renta, que evidenciou as suas curvas e Brie Larson, que encantou num modelo de Celine. No entanto, o que resta da 92ª edição dos Óscares é que praticamente não há celebridades que fiquem para a história pelo bom gosto ou inspiração máxima, com as principais casas de alta-costura a serem acusadas de fazer mais do mesmo.

Festa muito sexy
Na festa que se seguiu à cerimónia propriamente dita, os decotes e vestidos mais sensuais estiveram em destaque e até a portuguesa Sara Sampaio brilhou num elegante modelo preto comprido, com decote pronunciado.

Conhecida por gostar de dar nas vistas e pelas suas curvas torneadas, a modelo britânica Emily Ratajkowski surpreendeu com um modelo composto por duas peças, em branco, e que deixou pouco à imaginação.
Mais sobre
Newsletter
topo