Princesa Beatrice pode ser chamada para depor em caso de abuso sexual que envolve o pai

Filho de Isabel II diz que estava com a filha mais velha num restaurante Pizza Express na altura de uma das alegadas violações.
Príncipe André com a filha
Príncipe André com a filha
Foto: DR
16 jan 2022 • 01:30
Sónia Dias
O verdadeiro tormento da família real britânica está prestes a começar. Com o julgamento do príncipe André previsto para arrancar entre setembro e dezembro, os advogados de ambas as partes já estão a fazer a sua lista de testemunhas, que podem incluir elementos da família real.

A filha mais velha dos duques de York, Beatrice, será certamente chamada a depor por David Boies, que representa Virginia Giuffre e que é conhecido como ‘o grande inquisidor’, uma vez que o pai a apresentou como álibi.

No dia 10 de março de 2001 — uma das três datas em que Giuffre diz ter sido forçada pelo filho da rainha Isabel II a ter relações sexuais, quando era ainda menor de idade -, o príncipe André disse que estava “em casa com os filhos”. Numa entrevista à BBC, disse que se lembra “perfeitamente” de ter levado a princesa Beatrice a uma festa no restaurante Pizza Express, em Woking, no condado de Surrey, entre as 16h00 e as 17h00. Diz ter a certeza absoluta porque “ir ao Pizza Express em Woking” era “algo muito incomum”.

Desta forma, o príncipe André afastou qualquer hipótese de ter estado com Giuffre, que afirma que, nesse mesmo dia, os dois jantaram juntos e dançaram numa discoteca em Londres, a Tramps, antes de ele a forçar a ter relações sexuais. A advogada norte-americana, hoje com 38 anos, foi ao pormenor de dizer que o príncipe transpirou muito durante o encontro.

Entretanto, Giuffre reagiu no Twitter à decisão do tribunal em dar seguimento ao julgamento de André. “O meu objetivo sempre foi mostrar que os ricos e poderosos não estão acima da lei e devem ser responsabilizados”, escreveu.
Mais sobre
Newsletter
topo