Raquel Tavares defende-se das críticas e suplica: "não julguem logo, perguntem primeiro"

A artista tem acumulado trabalhos no mundo da televisão depois de ter dito que se queria afastar do mediatismo.
Raquel Tavares e João Baião
Raquel Tavares e João Baião
08 mar 2020 • 19:41
No início do ano, Raquel Tavares deu que falar por ter anunciado o fim da sua carreira como fadista e afirmou que pretendia afastar-se do mediatismo. Algo que não aconteceu já que a artista integra o elenco da nova temporada de 'Golpe de Sorte', na SIC, e substituiu Maria Botelho Moniz no programa 'Olhó Baião'. Os fãs não perdoaram e prontamente criticaram a contradição de Raquel Tavares. 

A nova aposta da estação de Paço de Arcos esteve à conversa com João Baião e defendeu-se das críticas que tem recebido. "Eu fui muito clara na mensagem que passei às pessoas que eu achei que devia de dar uma justificação, às pessoas que gostam de me ouvir e me acompanharam neste últimos 28 anos", começou por dizer. "
A única coisa que disse foi que estava cansada de cantar, como profissional, de fazer concertos, andar na estrada, dos muitos quilómetros, de ter que gerir emoções que já não tinha porque estava muito cansada".

Raquel Tavares reforça que apesar de estar envolvida em vários projetos continua sem gostar de ser figura pública. "Se eu gosto de ser uma figura pública? Não, é verdade que eu não gosto. Gosto de estar no Chiado mal vestida e de comer hamburgers, sujar-me toda e não estar preocupada se me estão ou não a olhar. Mas sei que é consequência do meu trabalho".

A antiga fadista garante que deixou a música por estar cansada da rotina que tinha, mas que está pronta a abraçar novos desafios e pede para os fãs entederam a sua postura e para não a criticarem. "Vou continuar a ser figura pública, aceito. Mas já que tem de ser, então que esteja a fazer uma coisa nova que me motive e para que eu esteja com outra energia porque para cantar já não estava. E foi só isso que eu disse.Por favor, tentem entender lá em casa. A todas as pessoas que estão focadas no facto de ter dito que não queria ser figura pública e que tinha ido chorar para a Cristina, não julguem logo, perguntem primeiro", disse. "Estou aqui, obrigada pelo convite. Gosto muito de comunicar com as pessoas, sou muito palhaça, no bom sentido, sou do bairro e gosto muito de ser do bairro. A única coisa que posso acrescentar é a boa disposição, de certeza. Se vou fazer bem ou não, não sei, mas vou aprender com quem aqui está", prometeu.

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo