Repórter da SIC sofre com depressão: "Desleixei-me, isolei-me"

Filha do antigo jogador Oceano revela que pandemia foi o fator fulcral para prejudicar a sua saúde mental.
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
A jovem com Oceano
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
Fabiana Cruz, repórter da SIC
A jovem com Oceano
19 abr 2021 • 13:24
Fabiana Cruz, repórter do 'E-Especial', da SIC, fez um desabafo, nas suas redes sociais, onde confessou que este ano de pandemia lhe provocou uma depressão. A filha do ex-jogador Oceano reconheceu que os últimos tempos não foram fáceis e que acabou por se isolar.

"Tenho feito diariamente o exercício mental de pensar no que me fez feliz naquele dia e no que mudaria. Percebi que não é preciso muito para ter um dia feliz e que normalmente o que mudaria são sempre comportamentos meus, recorrentes. Até os dias maus tem momentos felizes. Não há dias perfeitos. Há sempre algo de bom e de mau a retirar de t-u-d-o. Todos sofremos de alguma forma com esta pandemia", começou por escrever.

A repórter da estação de Paço de Arcos confessou que, embora não tenha parado de trabalhar, acabou por ficar abalada pelos tempos difíceis que se vivem. "Eu tive (tenho) uma depressão, desleixei-me, isolei-me, morro de saudades de amigos e família, vi o meu namorado estar um ano sem trabalhar e, na maior parte das vezes, disfarcei nas redes sociais como muitos de vocês. Nas redes e no trabalho que, felizmente, não abrandou, nem um bocadinho com esta pandemia. E estou seriamente cansada de fingir e de viver desta forma", escreveu. 

Fabiana Cruz reforçou no seu texto o quão importante é pedir ajuda quando não se está bem. "
Cada um sabe quando é a altura de dar um murro na mesa. O meu foi muito recentemente. Demorou mas foi. Não sei se vai durar ou não, mas vou aproveitar a onda e acreditar enquanto conseguir. Não há fórmula a não ser lutar para não nos perdemos. As vezes que forem precisas. Para não perdermos a humanidade, o carinho, a empatia, o amor próprio. Façam o vosso caminho, procurem a vossa felicidade e ajuda se sentirem que precisam. Aproveitem o sol, respeitem as regras e cuidem-se. Como diz o outro, "aqui não há heróis!".
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo