"400 euros com 82 anos de teatro": Rita Ribeiro revoltada com reforma que a mãe tinha antes de morrer

Atriz desabafou sobre a perda da mãe, que morreu no passado dia 10 de junho.
Rita Ribeiro
Rita Ribeiro esteve no 'Você na TV' e falou sobre a morte da mãe
Rita Ribeiro esteve no 'Você na TV' e falou sobre a morte da mãe
Rita Ribeiro com a filha e a mãe, Maria José
Rita Ribeiro esteve no 'Você na TV' e falou sobre a morte da mãe
Rita Ribeiro
Rita Ribeiro
Rita Ribeiro esteve no 'Você na TV' e falou sobre a morte da mãe
Rita Ribeiro esteve no 'Você na TV' e falou sobre a morte da mãe
Rita Ribeiro com a filha e a mãe, Maria José
Rita Ribeiro esteve no 'Você na TV' e falou sobre a morte da mãe
Rita Ribeiro
24 jun 2020 • 17:42

Rita Ribeiro foi uma das convidadas esta manhã no programa 'Você na TV' e abriu o coração para falar da mãe, Maria José, que morreu no passado dia 10 de junho. 

A atriz de 65 anos começou por referir que a perda da mãe, aos 92 anos, "não foi nada fácil".

O momento foi ainda aproveitado para revelar que não sentia que o trabalho da mãe fosse reconhecido com o devido valor.

"A pandemia na classe artística existe há muitos anos. Não é de agora", disse.

"A minha mãe não sentia muita justiça para com ela, acho que ela não foi reconhecida dentro de todo o talento que tinha. Acho que ela ficou um bocado aquém daquilo que poderia ter sido", continuou, lamentando que acha que a mãe não foi reconhecida como merecia.

"Ela tinha 400 euros de reforma com 82 anos de teatro. Acho que não vale a pena dizer mais nada", completou Rita, deixando claro o seu desagrado pela forma como são tratados e reconhecidos os artistas no nosso país. "Lembrem-se de nós", apelou.

Visivelmente emocionada, a artista de 65 anos desabafou ainda sobre a forma como lidou com o estado de saúde da mãe, que se encontrava debilitada no hospital. 

"Se não tivesse esta filosofia de vida, que tive neste retiro em casa em que passei 57 dias com a minha mãe internada nos cuidados paliativos, não tinha aguentado. Aguentei pela maneira como vivo, com a ajuda da meditação que faço todos os dias, duas/três vezes por dia, e com o amor das minhas filhas, dos amigos e dos meus cães", disse.

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo