“Sentia que o meu pai estava a virar-me as costas”

Éder viu o pai ser preso em 2002, acusado do homicídio da madrasta.
Foto: Bruno Colaço
29 ago 2016 • 10:33
Daniela Lapo
"Certo dia, tocou o telefone do lar. Mal sabia que era para mim e que trazia a  mais terrível das notícias." É desta forma que Éder relembra, no livro ‘Vai Correr Tudo Bem’, o momento em que soube que o pai, Filomeno Martins, tinha sido preso em Inglaterra por homicídio.

No lançamento da obra, que decorreu ontem em Lisboa, o jogador emocionou-se ao falar dos momentos mais difíceis da sua vida.

Escrito em parceria com a sua ‘mental coach’, Susana Torres, o livro fala sem preconceito da dura infância que teve.

"Cheguei ao Lar Girassol de táxi com o meu pai. Senti que o meu pai estava a virar-me as costas pela segunda vez", esta é mais uma das passagens do livro, que pretende ser, acima de tudo, um exemplo de superação.

"Tinha esperança que alguém me ligasse para poder conversar, queria sentir que alguém se importava comigo do outro lado", escreveu Éder, mostrando a solidão dos primeiros anos da sua vida.
Mais sobre
Newsletter
topo