Sofia Ribeiro sobre maternidade: "“Acalmo a vontade de ser mãe com as sobrinhas”

Atriz de 35 anos assume que a separação do empresário João Almeida Henriques foi um processo “difícil”, mas mantém a esperança de encontrar um novo amor e o sonho de ter um filho.
Sofia Ribeiro surpreendeu com corpo tonificado
Sofia Ribeiro
Sofia Ribeiro
Sofia Ribeiro
Sofia Ribeiro nas Maldivas com o namorado, João Almeida Henriques
Sofia Ribeiro surpreendeu com corpo tonificado
Sofia Ribeiro
Sofia Ribeiro
Sofia Ribeiro
Sofia Ribeiro nas Maldivas com o namorado, João Almeida Henriques
06 jun 2020 • 18:35
Vânia Nunes
Sofia Ribeiro admite que pensou que tinha finalmente encontrado a estabilidade ao lado do empresário João Almeida Henriques, no entanto, a relação terminou no mês passado, em pleno estado de emergência, deixando-a de rastos.

"Uma separação é sempre um processo difícil, seja uma relação que termine a bem ou a mal. Nesta altura, mais difícil foi. Todos nós temos que arranjar ferramentas para nos irmos curando, sossegando o coração e, muitas vezes, passa por estar com os amigos, com a família, desanuviar... Eu estando fechada foi um processo bastante difícil", explicou a atriz de 35 anos em entrevista a Fátima Lopes.

Sozinha em casa, Sofia acabou por refletir no que falhou no namoro e garante que continua uma "eterna apaixonada". "Foi uma relação muito especial e eu achava mesmo que a minha casa se estava a construir ali, mas as circunstâncias da vida mostraram que se calhar não... mas continuo a acreditar no amor".

Diagnóstico há quatro anos
Sofia não sabe se conseguirá cumprir o sonho da maternidade, mas é algo que já não a deixa perturbada.

"Tenho [muita vontade de ser mãe]. Vou acalmando essa vontade com as minhas sobrinhas e com os filhos das minhas amigas. Já vivi mais angustiada", admite. Mas nem sempre foi assim. Quando lhe foi diagnosticado cancro da mama, há quatro anos, foi um assunto que mexeu consigo.

"Há um tempo, quando me disseram que eu estava doente e que havia possibilidade de não ter filhos, foi o que mais me deitou abaixo e me marcou", contou, acrescentando: "Agora entrego. Vai ser o que tiver de ser. Se tiver que ser mãe, sou... se não tiver, vou ser sempre mãe de alguma forma".
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo