Teresa Guilherme veste "cor fetiche" em dia especial

Apresentadora cumpre superstições à risca e elege vestido com simbolismo importante para o regresso ao programa que lançou há 20 anos
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
Teresa Guilherme
19 set 2020 • 19:34
Conhecida por seguir à regra algumas das suas superstições em que acredita religiosamente, Teresa Guilherme, de 65 anos, regressou à apresentação do ‘Big Brother - A Revolução’, da TVI, com uma das suas "cores fetiche". Foi assim que a comunicadora descreveu a cor do vestido criado pelo estilista João Rolo, o responsável pela sua indumentária até ao final do reality show, prevista para o último dia de dezembro de 2020. A escolha desta cor não foi inocente, muito pelo contrário. Para os mais espirituais, o branco simboliza características como "a paz, a espiritualidade e a inocência. É também conhecida como "a cor da luz" e aquela que está associada ao signo de Caranguejo - a apresentadora nasceu a 27 de junho de 1955. Não foi, no entanto, a primeira vez que Teresa recorreu a esta cor para conduzir os seus programas. Nos últimos elegeu três vezes o branco para edições distintas de ‘A Casa dos Segredos’ e ainda uma vez em ‘A Quinta’, ambos na TVI.

As manias de Teresa
Ao longo dos últimos anos, Teresa Guilherme foi habituando o público a algumas das suas superstições, muitas estão relacionadas com as cores, mostrando preferência por vestidos azuis ou vermelhos. Mais há mais. Em ‘Big Brother’ - A Revolução’, a anfitriã conseguiu que a direção da TVI voltasse a passar as nomeações para terça-feira, ao contrário do que aconteceu na edição anterior, por este ser um dos seus dias preferidos. Outra ‘mania’ é a mítica garrafa de água que a acompanha religiosamente há duas décadas.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo