Thiago Rodrigues: "Hoje é mais difícil acreditar no amor"

Há dois anos que o ator deixou a TV brasileira e atravessou o oceano para se estabelecer em Portugal. Thiago diz estar a adorar mas sofre diariamente com saudades do filho, Gabriel.
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
thiago rodrigues
20 mai 2019 • 13:23
Hugo Alves
Está a viver em Portugal há três anos. É definitiva esta mudança?
Eu abri um mercado aqui, mas tenho o mercado no Brasil a funcionar e, invariavelmente, vou para lá. Na verdade, a minha vontade é viver entre cá e lá, mas para já estou a gostar muito de trabalhar em Portugal...

Como é que surgiu o convite inicial?
Em 2017 vim para Portugal a convite da Globo Portugal para fazer as reportagens do programa ‘Sem Cortes’. Foi na altura em que saí da Globo...

Porquê?
Tinha pedido para sair porque estava há 16 anos a fazer as mesmas coisas, sem poder fazer cinema, séries e coisas diferentes de novelas. Mas depois do programa decidi que ia passar mais um tempo por cá, programei mais seis meses. E quando isso aconteceu tanto o Ricardo (Pereira) como a Dalila Carmo abriram-me portas... algo para o qual eu nem tinha pensado. A Dalila apresentou-me pessoas da TVI e o Ricardo da SIC e eu recebi o convite para fazer o ‘Valor da Vida’. E achei formidável...

Foi complicado deixar a sua vida no Brasil?
Eu tinha um plano de seis meses e já estou em Portugal há dois anos [risos]. Claro que não é fácil sair do ambiente de conforto que eu tinha... mas o pior foi mesmo estar longe do meu filho, Gabriel, de dez anos. Na prática é o único problema. Eu sou muito desligado de coisas materiais, gosto muito de viajar e não me prendo a coisas, mas estar longe do meu filho é difícil.

Muitos colegas explicam que a razão de terem deixado o Brasil prendeu- -se com a insegurança do Rio de Janeiro e de São Paulo...
Isso não é uma das razões que me levaram a sair de lá. Eu sou nascido e criado no Rio por isso eu sei onde está o perigo. Sempre me soube safar disso e nem nunca fui assaltado. Mas é uma realidade porque é uma cidade que vive no perigo [faz uma pausa]. Contudo, não adianta eu estar aqui a dizer isso porque sou pai, apesar de eu estar a salvo o meu filho não está.... e isso é não me deixa em paz.

O seu projeto de estreia em Portugal foi ‘Valor da Vida’. Sai satisfeito agora que chegou ao fim?
Muito, muito, muito... [risos]. O Vasco era um cara que estava sempre diante de escolhas muito difíceis e ele enrolava muito. E isso irrita qualquer pessoa [risos]. Mas adorei fazer...

Adaptou-se facilmente ao nosso ritmo de trabalho?
Sinceramente, eu não vi grandes diferenças. Claro que a infraestrutura da Globo é muito maior, onde trabalham 5 mil pessoas, porque ali eles têm que comunicar com 200 milhões de pessoas... Mas o método de trabalho, assim como os profissionais, têm igual profissionalismo.

E agora... fale-me deste homem que interpreta em ‘Prisioneira’?
É bem diferente. O elenco é muito bom, os colegas são muito interessantes... eu faço de um piloto de uma empresa de aviões que passa por um trauma, uma situação limite com a filha que o vai mudar. E mais não posso dizer... exceto que o Gustavo tem um amor secreto pela mulher do amigo, ou seja, pela Joana Ribeiro. São estes os conflitos que vão ser a génese do meu personagem.

Fala muito das saudades do seu filho...
[interrompe] Porque são muito grandes. Eu às vezes fico a pensar se não seria mais importante para ele eu estar lá. Mas eu sei que no futuro ele vai-me agradecer eu ter vindo fazer isto, até porque pode ser importante para ele.

Falam todos os dias?
Quase todos, pelo Facetime. É estranho mas já me habituei.

Já se viram entretanto?
Ele veio para cá o ano passado em julho... e este ano vem novamente nas férias da escola. Vem um mês. E eu também estive no Brasil um mês e meio depois do fim das gravações de ‘Valor da Vida’. E assim isto torna-se menos difícil...

É muito próximo do seu filho?
Sempre fui. Ele foi planeado, algo que sempre quis ter...e sou muito agarrado a ele. E falamos sobre tudo. É o mais complicado, o destino de uma criança depois de uma relação terminar? Falo do desfecho da sua relação com Cris Dias...
Sem dúvida. Mas ele sempre ficou em primeiro lugar.

Apesar de a sua relação de 11 anos ter falhado continuou a acreditar no amor?
Claro, mas é mais difícil acreditar no amor neste mundo tão fugaz.

Está em Portugal há dois anos. Ainda está solteiro?
Sim...

É fácil?
[Risos] Eu vivi uma relação de 11 anos com a mãe do meu filho e hoje a gente tem uma amizade muito boa... e depois disso preferi cuidar um pouco mais da minha carreira, pensar nas coisas que quero realizar... e não penso muito nisso até porque as coisas, eu acredito, acabam por acontecer. Além de que quem muito procura tende a não achar. Por isso, se eu achar uma mulher ótimo, senão está tudo bem também...

O coração nunca palpitou por uma portuguesa?
Às vezes ele palpita [risos]. Mas até agora não tenho nada especial. Namoro atualmente com o meu trabalho.

No Brasil é um sex symbol. Como lida com este rótulo?
Isso aconteceu quando eu comecei. Mas nunca foi nada muito importante na minha carreira. E ainda bem porque eu não estudei para ser sex symbol, mas sim para ser ator.

Tem fãs em Portugal, como é óbvio. No que é que diferem dos fãs brasileiros?
O assédio no Brasil, sobretudo fora do Rio de Janeiro tem... alguma fisicalidade [risos]. Mas aqui eu sinto educação, especialmente das pessoas vindas de Cabo Verde, Angola... mas eu sempre lidei bem com assédio porque eu entendo porque é que acontece. É natural que causemos algum fascínio e curiosidade. Se não quisesse que isto acontecesse eu teria ido fazer outra coisa qualquer...

Falemos disso então. Hoje quando olha para trás sabe porque é que quis ser ator?
Em 2004 foi o meu primeiro trabalho na Globo, mas eu entrei na escola de teatro em 1998, aos 18 anos. Mas nem eu sei o que me levou a isto. Eu sempre fui um cara muito comunicativo, talvez por isso eu ache que se não tivesse sido ator teria sido advogado... porque são duas profissões muito parecidas, fala-se muito e defende-se por vezes o impensável. Como nós com os personagens. Além de que na minha família há mesmo muitos advogados [risos].

Foi fácil dizer aos seus pais que queria ser ator?
Foi. Eu sempre tive apoio. A minha mãe mais. O meu pai tinha algum receio e queria que eu tivesse um plano B...que eu nunca tive [risos]. Eles tinham um pouco de receio porque é uma profissão meio inglória.

Estamos a falar dos seus pais. Como é que eles lidam com o facto de o filho viver tão longe?
Não é fácil para eles... mas sentem também muito orgulho do filho, rompendo com o local de conforto dele e se aventurar do outro lado do Atlântico e estar a conseguir conquistar o seu espaço. A saudade existe, mas há também muito orgulho.

A saudade é muito importante quando se muda de país?
É a palavra... Mas saudade para mim, confesso, só mesmo do meu filho Gabriel [fica sério]. O resto depois administra-se.

Está com 38 anos. A idade preocupa-o?
Não, nada. Eu inclusivamente gosto muito de ver os anos passar. A vida fica mesmo mais gostosa. E aproveita-se melhor. Também porque eu, apesar de ter ganhado idade, não fiquei com o rosto marcado por ela...

A cultura brasileira está muito virada para o culto do corpo. Trabalha-o muito?
Quando tenho tempo vou ao ginásio... não é o caso agora. Mas aqui tenho que me cuidar porque a comida é muito boa, por isso durante a semana tento portar-me bem. Mas garanto que em Portugal tenho mais três quilos do que no Brasil [risos].

Agradecimentos The One Palácio Avenida

Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo