Uma vida dedicada às artes

Ator começou a estudar canto muito cedo.
A carregar o vídeo ...
Nicolau Breyner: a ultima aparição pública
15 mar 2016 • 09:00
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
nicolau breyner
João Nicolau de Melo Breyner Lopes nasceu a 30 de julho de 1940, em Serpa, no seio de uma família de proprietários agrícolas. Quando se mudou para Lisboa com os pais, ingressou no Liceu Camões e começou a estudar canto, chegando a fazer parte do coro da Juventude Musical Portuguesa.

Estudou Direito, lutando pelo sonho de ser diplomata, mas desistiu para se licenciar em Teatro, no Conservatório. Estreou-se na peça ‘Leonor Telles’, na década de 50, no Teatro da Trindade, e ficou popular com várias comédias.

Mas foi a partir dos anos 1970 que passou a ser mais conhecido, sobretudo por causa de programas televisivos de ficção e entretenimento. Naquela década, criou o programa "Nicolau no País das Maravilhas", no qual protagonizou, com um então estreante Herman José, a rábula "Senhor Feliz e Senhor Contente".

Nicolau Breyner, que era tenor, concorreu, em 1968, ao Festival RTP da Canção, com a canção "Pouco mais", que se classificou em 4.º lugar. Foi também coautor e ator da primeira novela portuguesa, ‘Vila Faia’. Participou em várias novelas e em perto de 50 filmes. Realizou, entre outros, ‘7 Pecados Rurais’.

Foi fundador da NPB Produções e tem o nome ligado a dezenas de produções de ficção, entre novelas, programas de humor e entretenimento, como "Gente fina é outra coisa", "Origens", "Os homens da segurança", "Ferreirinha", "Nico d'Obra" e "Eu show Nico". Recebeu três Globos de Ouro para Melhor Ator, com "Kiss Me" (2004), "O Milagre Segundo Salomé" (2004) e "Os Imortais" (2003).

Em 2009, Nicolau Breyner teve que enfrentar um cancro na próstata. Um ano depois, quando celebrou 50 anos de carreira, protagonizou o espectáculo "The Opera Show".

Apesar do tempo passado em Lisboa, Nicolau Breyner nunca esqueceu o Alentejo e cumpriu funções políticas na região. Nos anos 1990, candidatou-se à autarquia de Serpa, pelo CDS-PP, e assumiu funções como vereador.

Na década seguinte chegou a ser militante do PSD e, mais recentemente, integrou a candidatura de Nuno da Câmara Pereira pelo SIM - Movimento Independentes por Sintra à presidência da câmara. Estava actualmente a participar nas gravações da telenovela da TVI "A Impostora" e a dar aulas na NB Academia.

Tinha duas filhas – Mariana e Constança.
Mais sobre
artigos relacionados
Newsletter
topo