a Ferver
Morte da filha de apresentadora da SIC acaba em tribunal
Sara Santos acusa médico e hospital. Estava grávida de 30 semanas.
Foto Direitos Reservados
Patrícia Correia Branco
12 / 09 / 2018, 01:30
PUBLICIDADE

Sara Santos está empenhada na sua luta contra o Hospital de São Bernardo, em Setúbal, e o médico que a assistiu no parto da sua segunda filha, que já nasceu sem vida, em fevereiro. A apresentadora da SIC acusa a instituição e o clínico de negligência médica.

"Quero que o médico seja preso", afirma, revoltada: "Entrei no hospital com contrações. Deviam ter feito logo uma cesariana, mas esperaram três horas. A minha filha morreu por negligência". Sara estava grávida de 30 semanas. "Sinto uma tristeza profunda", diz, contando que o processo-crime deu entrada em julho.

Contactado pelo CM, o Hospital de São Bernardo emitiu um comunicado sobre o caso. "A utente recorreu ao Serviço de Urgência sem trabalho de parto. Realizou CTG de rotina, que revelou uma situação fetal preocupante, sem registo de contrações. (...) Foi decidido transferir a grávida para uma unidade hospitalar com cuidados intensivos neonatais. Durante o tempo em que permaneceu na nossa urgência, verificou-se que a situação do feto não melhorava. Decidiu-se realizar de imediato a cesariana de emergência. O feto nasceu já morto", pode ler-se.

O hospital defende ainda que Sara foi sempre acompanhada noutra unidade de saúde. "O relatório consta do processo clínico e é esclarecedor da causa de morte fetal, resultante de uma situação clínica com a qual o hospital foi confrontado na fase final, uma vez que a gravidez era efetuada noutra instituição".

O apoio da família
Neste momento de dor, Sara Santos conta com o apoio do marido, Carlos André, e do filho, Carlos, de 14 anos.

"São a minha grande ajuda. O meu filho é que me mantém agarrada à vida", diz a apresentadora da SIC, devastada com a morte da segunda filha.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE