a Ferver
Bárbara Guimarães aciona o botão de pânico com medo de Carrilho
Polícia é chamada a casa da apresentadora por causa da presença de Manuel Maria Carrilho no prédio.
  • Partilhe
Rute Lourenço, André Filipe Oliveira
06/12/2018 01H30
Bárbara Guimarães
Foto: David Martins
A polémica voltou a instalar-se entre Bárbara Guimarães e Manuel Maria Carrilho. Segundo o Correio da Manhã apurou, no passado dia 29 de novembro a polícia foi chamada a casa da apresentadora, no centro de Lisboa, depois de a estrela da SIC ter acionado o botão de pânico [sistema que permite a vítimas de violência doméstica pedirem apoio de forma imediata, 24 horas por dia], ao aperceber-se da presença do ex-marido na entrada do prédio.

De imediato, uma equipa de agentes da PSP foi enviada ao apartamento de Bárbara, de 45 anos, para perceber o que estava a acontecer. Ouviram a apresentadora [que está a lutar contra um cancro da mama], Manuel Maria Carrilho, de 67, e tomaram conta da ocorrência.

Segundo uma testemunha confirmou ao Correio da Manhã, "vários agentes chegaram em poucos minutos à casa de Bárbara, mas tudo decorreu sem desacatos".

"Não houve gritos nem violência. Carrilho estava na entrada do prédio quando a polícia chegou", diz um dos vizinhos.

O CM contactou a apresentadora para saber o que aconteceu naquela noite, mas Bárbara desvalorizou o episódio. "Não sei do que está a falar", disse, desligando o telemóvel.

Já Manuel Maria Carrilho explicou ao CM a sua versão dos factos. Segundo o ex-ministro da Cultura, só se deslocou a casa da estrela da SIC porque não sabia do paradeiro do seu filho, Dinis, de 15 anos, que tinha ido ao apartamento da mãe na véspera, pelas 23h00.

"Nessa noite, o Dinis foi jantar a casa da mãe. Tinha levado um cheque, no valor de 35 mil euros [condenação pelo crime de violência doméstica] e um papel para a Bárbara assinar em como tinha recebido o valor. Como ao regressar vinha sem esse documento, pedi para ir lá novamente buscá-lo", começa por contar, acrescentando que o filho, que saiu sem telemóvel, "nunca mais apareceu e passou a noite sem dar notícias".

"Passei a noite inquieto, sem saber do meu filho, cuja guarda me está entregue. Às 7h00, liguei para o número fixo da Bárbara, que me desligou o telefone. Fui então a casa dela para perceber se o Dinis estava lá e deixar-lhe a mochila para a escola. Toco à campainha, identifico-me e minutos depois aparecem vários agentes da polícia", descreve.

Recorde-se que o ex-ministro está impedido de se aproximar de Bárbara desde que se separaram e que esta o acusou de violência doméstica, em 2013.
Bárbara Guimarães entra em pânico e chama a Polícia
Ler mais tarde
A notícia foi guardada na sua lista de notícias favoritas. Faça a gestão dessa área na sua conta.
Partilhe
0
Comente
0
OPINIÃO
  • Improváveis da semana
    Patrick Watson chamou a palco Ana Moura e juntos recordaram Lhasa de Sela.
    Querido Tio Marcelo
    Não há memória de um presidente com esta forma simples de abordar a vida.
  • Não há nada para celebrar!
    De efemérides Pedro Abrunhosa não quer nem ouvir falar.
    Vida
    A melancolia está presente como uma nuvem que percorre o disco.
  • A vida de um ‘gajo’ porreiro
    Futebol... É mesmo um gajo porreiro este António Zambujo, ‘porreiro’ em todo o sentido lato do termo.
    Uma decisão histórica
    Justiça... Numa altura em que muitas das ligações entre artistas e editoras eram fixadas através dos chamados ...
  • Doçura
    Robyn segue uma visão pessoal num mundo nivelado pelo gosto comum.
    Política
    Neneh Cherry nem quer ouvir falar do actual presidente americano.
horóscopo
EM DESTAQUE
SAGITÁRIO
23 NOVEMBRO - 21 DEZEMBRO
OUTROS SIGNOS
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina