O caráter está no coração

Bom dia Margarida, Esta é a história de amizade de nove anos, que acabou em traição. Via-a como uma irmã. Em 2014 o meu pai faleceu. Ela foi o meu ombro amigo, sempre presente, mas começou a insinuar-se ao meu companheiro, com mensagens de amizade, carinho e acabou em convites para café, Um dia lançou a escada e foi direta ao assunto, para ele marcar um motel. Ele viu que estava a ir longe demais e resolveu-me contar-me e mostrou tudo: mensagens, Facebook. Peguntei-lhe, porque não foste para a cama com ela? Respondeu, porque nunca quis, oportunidades não faltaram. Procurei-a, confrontei-a e negou, claro. Contei tudo ao marido dela, ele deu-lhe uma tareia e separou-se dela. Acha que fiz mal? Anabela Gomes
06 mai 2016 • 17:04
Margarida Rebelo Pinto
Quando tinha 15 anos o meu namorado trocou-me pela minha melhor amiga. Ela tinha apenas mais um ano do que eu, mas era muito insinuante e experiente. Eu era um pau de virar tripas, ingénua e sonhadora e ela era uma miúda cheia de curvas e de ideias modernas. Tive um grande desgosto, porque perdi os dois. Fartei-me de chorar, mas anos mais tarde agradeci ao destino porque ele era um idiota... 

Leia a resposta completa de Margarida Rebelo Pinto na FLASH!, já nas bancas.
Mais sobre
Newsletter
topo